«O Mundo às Avessas». Orquestra Metropolitana de Lisboa dia 05 de Maio no Museu Nacional de Arte Antiga

Um Maestro Deslumbrado, o Mundo às Avessas e outras Bizarrias com a Orquestra Metropolitana de Lisboa dia 05 de Maio, às 21h00, no Museu Nacional de Arte Antiga. Bilhetes já à venda.



«Um maestro deslumbrado com o próprio talento acha-se diante de uma orquestra aqui e ali indisciplinada. Cimarosa compôs o intermezzo operático "Il Maestro di Cappella", despojando em palco os dilemas da composição. Resultou assim a mais divertida maneira de apresentar a constituição da orquestra que alguma vez se viu. 

Também 'sem grande tino', apresenta-se o duplo concerto para violino e violoncelo que Vivaldi intitulou "Il mondo al rovescio". Numa confusão meticulosamente calculada, trocou propositadamente as claves nas partituras dos solistas e destinou ao tutti orquestral as secções do concerto que lhes pertenceriam em circunstâncias 'normais'. 

E porque de bizarrias se trata, junta-se ainda a suíte orquestral de Telemann com esse nome. Chama-se La Bizarre por causa da sobreposição de padrões rítmicos díspares que nela se ouve. 

Il Mondo al Rovescio

'Il Proteo ò sia il mondo al rovescio' é título do concerto de Antonio Vivaldi com número de catálogo RV 544. Traduz-se, em português, como 'Proteu, ou o mundo às avessas', o que nos leva a perguntar acerca da sua relação com a partitura. Fica-se então a saber que o seu propósito é diferente ao do título 'As quatro estações', datado da mesma época. É bastante mais subtil do que a ilustração dos fenómenos da Natureza.

Em meados da década de 1720, o Cardeal Pietro Ottoboni encomendou um vasto conjunto de partituras a Antonio Vivaldi. Também nascido em Veneza, Ottoboni passou a maior parte da vida em Roma, onde foi mecenas de músicos como Corelli, A. Scarlatti, Händel, e muitos outros. Vivaldi publicara recentemente Il cimento dell’armonia e dell’invenzione, uma outra coleção que incluía As Quatro Estações e da qual recuperou então algumas peças, para lá da ideia de utilizar títulos sugestivos. O novo caderno, com dezenas de concertos e sonatas para violino, terá sido entregue em Roma em 1726. Abria com o concerto 'Il Proteo ò sia il mondo al rovescio' (RV 572), uma transcrição para orquestra de sopros e cordas de um concerto originalmente escrito para violino, violoncelo e orquestra de cordas (RV 544). 

A estrutura geral deste concerto consiste num típico duplo concerto – ou seja, com dois solistas. O primeiro e último andamentos intervalam cinco Ritornellos com quatro passagens solísticas. O andamento central, lento, divide-se em cinco secções e assemelha-se a uma sonata em trio, com duas partes melódicas e baixo contínuo. O título sugere a ilustração de um mundo virado do avesso, metáfora que era muito popular na época. Evoca Proteu, divindade da mitologia grega que tinha o dom da profecia e o poder de transformar a sua aparência, a fim de evitar aqueles que queriam saber do futuro. Só os que conseguissem superar o medo provocado pelas suas formas monstruosas obteriam resposta. Com sentido de humor, é neste papel que o compositor coloca o ouvinte. Acrescentou no manuscrito instruções que ofereciam possibilidades algo acrobáticas aos solistas. Em concreto, o violino e o violoncelo podem trocar entre si as respectivas pautas, provocando uma situação inusitada, e manifestamente lúdica. É a esta inversão de papéis que o título faz referência. Não sabendo de tal, o efeito poderá não ser percebido pelo ouvinte, que assim se limita a notar uma vaga estranheza. Deste modo, resulta num jogo musical que diverte sobretudo os intérpretes, que têm margem de liberdade para acordar entre si o que fazer em cada momento.» 




A. Vivaldi Concerto para Violino e Violoncelo, RV 544, Il Proteo ò sia Il mondo al rovescio 
G. P. Telemann Abertura (Suíte), TWV 55:G2, La Bizarre 
D. Cimarosa Il Maestro di Cappella, Intermezzo operático 


Orquestra Metropolitana de Lisboa 
Canto e Direção Cénica Jorge Vaz de Carvalho 
Violoncelo Nuno Abreu 
Violino e Direção Musical Ana Pereira 




Comentários