Peça documental de Ricardo Correia «Eu uso termotebe e o meu pai também» sobe ao palco do CCVF a 20 de Abril

Peça documental de Ricardo Correia, “Eu uso termotebe e o meu pai também”, honra as memórias dos trabalhadores da indústria têxtil do Vale do Ave.


Foto © Carlos Gomes 

Esta sexta-feira, 20 de Abril, o autor e encenador Ricardo Correia leva ao Centro Cultural Vila Flor (CCVF) o seu mais recente espectáculo, “Eu uso termotebe e o meu pai também”, uma peça que toca na ferida e fala da história do operariado para não deixar esquecer a crise no setor fabril. “Eu uso termotebe e o meu pai também” parte da recolha de testemunhos em comunidades de operários fabris de várias cidades do Vale do Ave – entre elas Guimarães – transfiguradas pelas ruínas dessa indústria e que aguardam ainda um novo El Dorado. Ao desenhar um arco sobre a história e as contradições do trabalho, reflete-se sobre a condição de operário e a sua emancipação até aos dias de hoje. A peça sobe ao palco do Pequeno Auditório do CCVF às 21h30.

Eu uso termotebe e o meu pai também” parte de uma pesquisa sobre os processos de transmissão da memória relativa ao trabalho em Portugal. Este espectáculo, que Ricardo Correia escreve e dirige, é uma investigação sobre a influência da mecanização industrial no pensamento de gerações de operários e patrões. Ao desenhar um arco sobre a história e contradições do trabalho, reflete a condição de operário e a sua emancipação, bem como as mutações da sua identidade ao longo de várias gerações, desde os remotos operários fabris até aos novos operários do século XXI. Pretende refletir sobre a transformação do trabalho, o seu impacto e respectivas consequências na contemporaneidade.

A construção da peça é feita a partir da recolha de testemunhos em comunidades de operários de várias cidades portuguesas transfiguradas pelas ruínas dessa indústria e que aguardam ainda um novo El Dorado. Para título, o encenador evoca a termotebe, a mítica camisola interior dos anos 80, produzida em Barcelos, numa fábrica há muito encerrada. É precisamente na zona do Vale do Ave que sempre existiu grande tradição no setor têxtil, área em que ao longo de gerações as famílias trabalharam, sendo este o sustento de grande parte dos agregados familiares da região. Entretanto, a crise chega e arrasa com a indústria. Pequenas e grandes fábricas fecharam, deixando ao desalento centenas de famílias que viram a vida ruir diante dos olhos. A implosão de uma indústria que se achava sólida e atirou para o desespero famílias inteiras.

Para o encenador, é preciso não deixar esquecer este assunto porque, apesar de já não passarem manifestações na TV nem de se encherem as parangonas dos jornais, esta crise deixou marcas profundas na sociedade que é permanentemente relembrada do que aconteceu. “De certa forma essa realidade continua viva, porque as pessoas vivem ao lado das fábricas que faliram, vivem à volta desses monstros abandonados e quase não fazem o luto disso, porque é o quotidiano”, atenta Ricardo Correia.

É preciso manter vivo na memória os despedimentos coletivos, as marcas que ficaram no corpo de quem passou horas a fio a trabalhar, os salários precários, os cadeados que fecharam fábricas em dias de greve que antecederam a estucada final, sonhos perdidos, o choro e o silêncio de quem viu uma vida de trabalho desaparecer num ápice. “E de alguma forma a vida ali ficou suspensa à volta de algo que já não existe”, sublinha Ricardo Correia.

“Eu uso termotebe e o meu pai também” é uma coprodução do Teatro Nacional Dona Maria II (Lisboa), Teatro Académico de Gil Vicente (Coimbra), Teatro Aveirense (Aveiro) e do Centro Cultural Vila Flor (Guimarães), que também prestou apoio à residência artística, juntando Beatriz Wellenkamp, Celso Pedro, Hugo Inácio, Joana Pupo e Sara Jobard no seu elenco de atores. No final do espectáculo, o autor Ricardo Correia junta-se ao público no foyer do Pequeno Auditório do CCVF para uma conversa em torno da peça.


Os bilhetes para este espectáculo têm o custo de 7,50 euros ou 5,00 euros com desconto e encontram-se disponíveis nas bilheteiras do Centro Cultural Vila Flor (CCVF), do Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG) e da Casa da Memória de Guimarães (CDMG), bem como nas Lojas Fnac e El Corte Inglés, e via online em www.ccvf.pt e oficina.bol.pt.






Arquivo

Mostrar mais

PUBLICAÇÕES MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 07 DIAS

Imploding Stars e MUAY, com projeção 3D de Miguel F, dia 25 de Maio no Plano B, em mais um concerto da SeteOitoCinco

The Norton’s Project apresentam o single «It’s Time»

Palco Comédia do NOS Alive apresenta alinhamento de dia 14 de Julho

«Viviane canta Piaf» a 09 de Junho no Teatro da Trindade

Couple Coffee anunciam concertos e apresentam novo vídeo

Churky é o o vencedor da 5.ª edição do EDP Live Bands em Portugal

«Das Maravilhosas Coisas Ouvidas». Mónica Samões e José Pelicano de 19 de Maio a 03 de Junho na Aldeia de Castelo Novo, Fundão

Já disponível single e vídeo «Closer feat. Emily Lazar» dos Nowhere To Be Found

André Gonçalves, Lloyd Cole e Luís Fernandes estreiam «Speaking of Chance» dia 24 de Maio no Centro Internacional das Artes José de Guimarães

Papillon confirmado no NOS Alive'18

PUBLICAÇÕES MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Após percorrer o mundo, a «Tragédie» de Olivier Dubois estreia em Portugal, dia 16 de Maio no CCVF em Guimarães

Imploding Stars e MUAY, com projeção 3D de Miguel F, dia 25 de Maio no Plano B, em mais um concerto da SeteOitoCinco

A Arte ganha movimento e ação no CIAJG

«Mozart e Arriaga - A Idade do Génio». Em Maio a OCCO apresenta Juan Crisóstomo Arriaga ao público e convida os solistas Andrea Turini, dia 05, e Elena Tansky dia 12

Dixit regressam aos palcos no ano em que comemoram 25 anos de Rock

West Coast Man e Laudo dia 10 de Maio na Biblioteca Municipal Almeida Garrett

Professor Jorge apresenta novo tema «O Circo Chegou à Cidade» já disponível em formato digital

Mozart & Salieri pela Metropolitana a 12 de Maio no Teatro Thalia

The Norton’s Project apresentam o single «It’s Time»

Palco Comédia do NOS Alive apresenta alinhamento de dia 14 de Julho

PUBLICAÇÕES MAIS VISUALIZADAS DE SEMPRE

«Madeira» primeiro single do novo trabalho de Carlos Nóbrega já disponível

Guitarrista José Negrin com novo álbum «Rough Pearl»

Após percorrer o mundo, a «Tragédie» de Olivier Dubois estreia em Portugal, dia 16 de Maio no CCVF em Guimarães

Fado Lelé na Banda Sonora da novela «Espelho D'Água»

Namorados da Cidade apresentam primeiro álbum a 16 de Fevereiro em formato digital

Kate Mirson apresenta novo single «Please Don’t Leave Me» a 09 de Março em formato digital

Programa do II Festival Beja na Rua

A.M.A. apresentam single «Eu Não Sei» a 06 de Outubro em formato digital

Orquestra Filarmonia das Beiras e Universidade de Aveiro festejam Aniversário com concerto a 15 Dezembro no Teatro Aveirense






Nº Visits _ por blogger