Após percorrer o mundo, a «Tragédie» de Olivier Dubois estreia em Portugal, dia 16 de Maio no CCVF em Guimarães

Tragédie”, peça que o consagrado coreógrafo Olivier Dubois já fez circular pelo mundo, chega finalmente a Portugal e o Centro Cultural Vila Flor (CCVF), em Guimarães, acolhe a sua estreia nacional. 


Créditos Francois Stemmer 

Tragédie” é uma libertação explosiva. Um espectáculo vertiginoso e hipnótico com 18 bailarinos nus em palco. Dubois apresenta o homem na sua condição original e despe-o das condicionantes sociais, históricas e psicológicas, para criar um coro que se constrói de corpos refletindo sobre o poder telúrico que nos liga à terra, a importância da nossa consciência e dos atos voluntários que nos preenchem de humanidade. 

A peça culmina numa catarse em que os corpos se fundem numa mesma massa, num movimento coletivo hipnótico que deixa a plateia vigilante. O espectáculo apresenta-se a 16 de Maio, às 21h30, no palco do Grande Auditório do CCVF.



Tragédie” é um frenesim de corpos nus em palco para mostrar que o simples facto de sermos humanos não nos dá humanidade. A peça que Olivier Dubois faz circular pelo mundo desde 2012 leva ao CCVF 18 bailarinos, nove homens e nove mulheres, que entram em cena numa marcha de passos assertivos. A crueza dos corpos nus e os seus movimentos abruptos traduzem os impulsos mais arcaicos do homem e mostram que o corpo sem alma não faz de nós humanos. 

Inspirado na obra de Nietzsche, “A Origem da Tragédia”, Olivier Dubois criou uma peça que lentamente se vai lançando para o seu clímax. O início do espectáculo, marcado por uma certa lentidão e repetição de movimentos, alimenta no público uma certa tensão para o que está por vir. Primeiro, no escuro, não discernimos bem as silhuetas que se desenham à nossa frente, contudo a luz vai aumentado de intensidade permitindo que a plateia veja na nudez dos corpos dos bailarinos que demoram longamente a tocar-se mas que, ainda assim, emanam uma grande intimidade através de gestos que simulam relações íntimas e do pulsar de uma respiração que se percebe ofegante. 

Dubois parece exigir controlo aos seus bailarinos na primeira parte do espectáculo e isso também é sentido por quem está a assistir, pairando no ar uma sensação de restrição. É precisamente essa a intenção do coreógrafo que quer tentar manter todos, dançarinos e público, num mesmo estado, quase uma letargia que nos é imposta e que sabemos que a qualquer momento vai explodir, criando uma tensão na expectativa de testemunhar essa libertação de energia. E, entretanto, ficamos numa espécie de limbo, concentrados naqueles 18 corpos desnudos que nos espantam pelo à vontade e naturalidade com que se encaram uns aos outros. A nudez, como símbolo, é aqui subvertida. Aquilo que muitas vezes é associado à exposição máxima do ser humano, sem nada que o encubra ou proteja, é aqui algo excepcionalmente natural. É essa contradição que nos pede tempo para nos habituarmos a ver aquele conjunto de corpos que se balanceiam sem pudor algum. 

Para Olivier Dubois, estes 18 bailarinos que exibem corpos de todas as formas e feitios representam o mais natural que há no ser humano, a sua ancestralidade, despojada de tudo o que a sociedade nos foi impondo ao longo de milhares de anos de evolução. Um certo lado animal marca aqui compasso e remete-nos para a origem, a nossa própria origem. A peça, no entanto, demonstra-nos que não é apenas o corpo e a nossa figura humanoide que faz de nós seres humanos inteiros e completos. Cada um de nós, na plenitude da sua humanidade, tem uma alma, uma consciência, obedece a certos padrões que pensamos ser essenciais à nossa coexistência. “Tragédie” termina em total apoteose, com uma orgia de corpos que não nos permite discernir onde termina um e começa o outro. A desconstrução total da “ordem” para fazer ver a complexidade que nos define enquanto seres humanos. 


Os bilhetes para o espectáculo têm o custo de 10,00 euros ou 7,50 euros com desconto, encontrando-se disponíveis nas bilheteiras do Centro Cultural Vila Flor (CCVF), do Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG) e da Casa da Memória de Guimarães (CDMG), bem como nas Lojas Fnac e El Corte Inglés, e via online em www.ccvf.pt e oficina.bol.pt



Arquivo

Mostrar mais

Mais Visualizadas Na Última Semana

Cinema Documental Ibérico em foco na VI edição do Periferias

Matosinhos em Jazz arranca no dia 1 de Julho

Guimarães volta a vestir-se de branco na noite mais emblemática do calendário de verão

Monda apresentam primeiro single «Vai de Centro ao Centro» do novo álbum com edição marcada para Novembro

Jovens solistas da Metropolitana dia 20 de Junho no Museu do Oriente

Já disponível o single «Don’t You» de Future Stranger

Orquestra Metropolitana de Lisboa regressa à Biblioteca Nacional de Portugal com mais uma edição da iniciativa «Música na Biblioteca». Primeiro de dois concertos é já dia 22 de Junho

Passa a Palavra! Festa dos Ofícios do Narrar vai acontecer no concelho de Oeiras entre 18 e 24 de Junho

Mais Visualizadas No Último Mês

Quid estreiam novo vídeo «Pontos Nos Is»

Fado Lelé com novo vídeo, realizado pelo vencedor do Yorn microCURTAS (MOTELX 2017), e novas datas de concertos

Cinema Documental Ibérico em foco na VI edição do Periferias

Matosinhos em Jazz arranca no dia 1 de Julho

:papercutz dia 08 de Junho na Biblioteca Municipal Almeida Garrett, no Porto, em mais um concerto da Associação SeteOitoCinco

31ª edição dos Festivais Gil Vicente abre com duas estreias: «Pulmões» de Luís Araújo dia 07 de Junho e «Retábulos» do Teatro Oficina no dia 08

Novas confirmações no 24º Super Bock Super Rock

Kevinho ao vivo em Portugal. Dia 07 de Outubro no Multiusos de Gondomar

Guimarães volta a vestir-se de branco na noite mais emblemática do calendário de verão

«Sempre Que o Fadista Canta» de Miguel Rivotti já disponível em formato digital

Nº Visits _ por Blogger