Festivais Gil Vicente voltam a inquietar a cidade de Guimarães de 07 a 16 de Junho. 31ª edição lança um olhar profundo sobre a criação teatral nacional

Em Guimarães, Junho é sinónimo de mais uma edição dos Festivais Gil Vicente, sempre com este plural, e também sempre com a pluralidade do teatro. Futuro e incerteza, amor e crise, real e absurdo, memória e identidade, medo e desejo, imaginação e revolução, serão alguns dos temas representados durante 2 semanas de debate e inquietação. 

 

Porque os Festivais Gil Vicente querem inquietar todos. A cidade e o público. Os que já assumem o teatro como paixão e aqueles que querem descobrir esta arte. Os espectáculos sobem ao palco do Centro Cultural Vila Flor, de 07 a 16 de Junho. 


Direitos Reservados 

A 31ª edição dos Festivais Gil Vicente abre com duas estreias. “Pulmões” (07 de Junho), de Luís Araújo, expõe-nos uma geração que faz da incerteza um modo de vida. “Pulmões” é a história de uma conversa: um casal na casa dos trinta, M e W, durante uma ida ao Ikea discute a possibilidade de ter um filho e do impacto que isso terá neles e no planeta. “Será que sou boa pessoa? Serei um bom pai? Que tipo de mundo herdará o nosso filho? É sensato ou necessário trazer mais uma criança a este mundo?” Com encenação de Luís Araújo – que depois de “Subterrâneo” (2016) volta a assinar uma criação para o Ao Cabo Teatro –, “Pulmões” não é explicitamente uma peça sobre as mudanças climáticas, é uma peça sobre pessoas: um jovem casal confrontado com uma possibilidade inesperada que os leva a reavaliar o resto das suas vidas de uma forma que seja imediatamente reconhecida como possibilidade no presente e a tentar imaginar um futuro reconhecível, que tenha no presente e na sociedade em que agora vivemos uma espécie de manual de instruções. 



Créditos Paulo Pacheco 

Segue-se “Retábulos” (08 de Junho), a nova peça do Teatro Oficina que leva a cidade para cima do palco. A cidade é a grande protagonista desta criação, em mais um projeto intensamente participativo da companhia de teatro de Guimarães. Uma cidade feita de professores, estudantes, advogados, gestores, desempregados, reformados ou estagiários que agora é convocada a representar no palco do CCVF uma cidade de Alcaides e Governadores, mas que se torna palco de manifestos quando irrompem Cantoneiros ou Mendigos. Uma cidade de trabalho que é invadida por crianças, tornando-se palco de imaginação. O elenco escolhido para mais esta investigação da arte do teatro não é inocente, são os suspeitos do costume: os alunos das Oficinas do Teatro Oficina, pessoas dos 8 aos 64 anos que, desde Outubro de 2017, decidiram durante o seu dia a dia fazer teatro, aproximando-se assim de quem faz do teatro o seu dia a dia. 



Créditos Vitorino Coragem 

A primeira semana dos Festivais Gil Vicente fica concluída com “Se Eu Vivesse Tu Morrias” (09 de Junho), um espectáculo de Miguel Castro Caldas & Lígia Soares, Miguel Loureiro e Tiago Barbosa, Filipe Pinto, Gonçalo Alegria e Salomé Marques, que explora um dos limites do teatro: o texto, que é entregue ao público no início da peça. Prémio SPA 2017 para Melhor Texto Português Representado, “Se Eu Vivesse Tu Morrias” tem o caráter de um ensaio, de uma tentativa, de uma investigação. Os espectadores poderão alternar entre a leitura e a visão da representação. O espectáculo acontece precisamente nesse intervalo particular: entre ler e ver, entre o livro e o palco, na intermitência da atenção do espectador, entre o levantar e o baixar da cabeça, num movimento de gola. 



Créditos Filipe Ferreira 

Na segunda ronda, Tónan Quito apresenta uma história de amor. “Casimiro e Carolina” (14 de Junho), de Horváth, fala sobre as sequelas da crise de 1929, a fazer lembrar esta que ainda atravessamos. A depressão é grande, o desemprego elevado, mas, apesar das medidas de austeridade tomadas pelo governo, as personagens encontram-se numa festa da cerveja para se divertirem, beberem e esquecerem os problemas. Casimiro e Carolina é um casal que se ama – ele está desempregado, ela trabalha – até que entram em ruptura, discutem, separam-se e a ferida fica aberta. O desespero do qual fugiam fica visível. Como ficaremos nós quando estas políticas passarem? Há esperança? É possível amar em tempos de crise? 



Créditos João Tuna 

Por sua vez, Estelle Franco, Mariana Ricardo, Masako Hattori, Paula Diogo e Sónia Baptista desafiam-nos a refletir sobre o modo como a memória opera nas nossas vidas em “Sobre Lembrar e Esquecer” (15 de Junho). Realizada por cinco criadoras-intérpretes vindas de lugares e experiências distintas, esta é a primeira peça de uma trilogia, inspirada pelo livro “Les Formes de l’oubli” do antropólogo Marc Augé, que se completará com “A Estação de Outono” e “Paisagem”. Três espectáculos sobre o que escolhemos recordar ou esquecer, ou o que somos capazes de recordar e esquecer. 



Direitos Reservados 

O elenco de espectáculos termina com “Perplexos” (16 de Junho), de Cristina Carvalhal, uma peça em que a realidade parece estar constantemente a ser reformulada, raiando o absurdo. Os casais, as férias, os filhos, as empregadas domésticas, Darwin e a lei do mais forte, a sombra nazi ou um baile de máscaras, são alguns dos temas presentes nesta espécie de comédia de costumes, assombrada por Pirandello. As personagens multiplicam-se. Mas afinal, o que é que é real? Talvez apenas uma certa apetência pelas grandes questões filosóficas que nos perturbam desde Sócrates. 


O programa dos Festivais Gil Vicente não ficaria completo sem o Gangue de Guimarães que volta a ocupar (pacificamente) o festival, repetindo o formato inaugurado em 2017 – artistas em residência no Centro de Criação de Candoso e dramaturgos em oficina no Palácio Vila Flor. Este ano, os alunos e ex-alunos da Licenciatura em Teatro da Universidade do Minho também se juntam ao programa de atividades paralelas, invadindo (e conquistando) o Espaço Oficina com uma mostra dos seus projetos. Nestes Festivais Gil Vicente criam-se relações, lançam-se questões em busca de respostas, abrem-se caminhos de encontro, comunhão e partilha. Espera-se que o público participe e se inquiete em cada descoberta. 


Os bilhetes já se encontram à venda nas bilheteiras do Centro Cultural Vila Flor (CCVF), do Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG) e da Casa da Memória de Guimarães (CDMG), bem como nas Lojas Fnac e El Corte Inglés, e via online em www.ccvf.pt e oficina.bol.pt

O preço dos ingressos varia entre os 5,00€ e os 10,00€ havendo a possibilidade de adquirir diferentes assinaturas para o festival. Os alunos que frequentam Escolas de Artes Performativas têm um preço especial de 4,00€ nos espectáculos. O programa completo dos Festivais Gil Vicente pode ser consultado em www.ccvf.pt


Comentários

Publicações Anteriores

Mostrar mais

Mais lidas na última semana

Mais lidas no último mês

Mais lidas no último ano

Nº Visits