Apresentação do livro ilustrado «Nós» dia 11 de Julho no Mimo - Museu da Imagem em Movimento


«Nós», o mais recente livro da Editora Barca do Inferno, uma edição conjunta com o Município de Leiria, será apresentado dia 11 de Julho no Mimo-Museu da Imagem em Movimento


«Nós somos os artistas de Leiria, afirma Lino António quando pinta o quadro Nós: um retrato do seu grupo de amigos. Narciso Costa, António Varela e o próprio pintor parecem perdidos nos seus pensamentos, só Luís Fernandes olha para nós. Por que não escolheu Lino António o castelo para representar a cidade? 

Unidos numa pintura e na vida, todos se dedicaram ao ensino com paixão, porque sabiam que o conhecimento só serve se for partilhado. Com generosidade, deixaram sementes por onde passaram e levaram para Leiria o mundo que foram descobrindo.» 

Os textos de Mafalda Brito e as ilustrações de Rui Pedro Lourenço revelam aspectos da vida e da obra dos quatro artistas representados no quadro “Nós”, que integra a exposição “Nós e os outros” patente no Mimo - Museu da Imagem em Movimento até 09 de Setembro 2019. 



"Conhecido como um dos nomes mais destacados do segundo modernismo, Lino António da Conceição (Leiria, 1898 – Lisboa, 1974) estudou na Escola Industrial Domingos Sequeira, em Leiria. Após passagem meteórica pela Escola de Belas-Artes de Lisboa, frequentou a partir de 1915 o Curso de Pintura da Escola de Belas-Artes no Porto, onde o fervilhar modernista contagiou a sua formação. 

Realizou em 1918 uma exposição individual em Leiria, e em 1924 expôs na Sociedade Nacional de Belas-Artes em Lisboa. 

No início da sua carreira integrou, em pleno, o modernismo e fez ilustração para livros e revistas como provavelmente para a Ícaro e sem dúvida para a Civilização e participou em trabalhos colectivos como a decoração do Bristol Club. 

Das grandes encomendas públicas e colectivas que o ocuparam nas décadas seguintes, são representativos, entre muitos outros, os frescos da igreja de Nossa Senhora de Fátima em Lisboa (1938) e a Via Sacra realizada em colaboração com Manuel Cargaleiro para a Colunata do Santuário de Fátima (1955). 

A vida das gentes do litoral piscatório e da região leiriense foi muitas vezes representada de forma moderna, enquanto algumas encomendas serviam padrões de aproximação aos convencionalismos do regime. 

Lino António desenvolveu uma prolífica carreira como professor, destacando-se a sua acção como Director da Escola de Artes Decorativas de António Arroio. Ali foi muito estimado pelos alunos que nele reconheciam não só um espírito aberto a novas tendências estéticas, mas também, como observa Sandra Leandro, um homem de plena dimensão humana, facto que sobressaia em tempos difíceis." 

Sandra Leandro 
 (Comissária da Exposição)







Comentários